Gestão
Planos de bem-estar facilitam processo de recrutamento nas empresas
Planos de bem-estar facilitam processo de recrutamento nas empresas

“Qual a sua motivação para sair de casa e trabalhar todos os dias?” Está aí uma pergunta que você, provavelmente, já se fez, seja antes de começar o dia, seja na hora de aceitar uma vaga de emprego. Se antes a resposta era “um bom salário”, hoje, contar com planos de bem-estar é o que realmente faz a diferença para muitos profissionais.

Como temos falado por aqui, cada dia mais, as empresas estão se dando conta de que funcionários felizes e saudáveis trabalham mais e melhor, principalmente quando consideramos os famosos millennials (nascidos entre 1981 e 1996) que buscam bem mais do que uma boa remuneração e hoje já representam 50% da força de trabalho do país – segundo estudo divulgado em 2019 pelo Itaú BBA (banco de investimentos do Itaú Unibanco).

Mas o quanto os planos de bem-estar proporcionados pelas organizações influenciam no recrutamento desses profissionais? É o que vamos mostrar agora, confira!

Por que  planos de bem-estar favorecem o recrutamento de profissionais?

Uma pesquisa denominada “Work Happy”, realizada pela empresa de recrutamento americana Robert Half com 23 mil profissionais de oito países, constatou que, para a maioria, ter uma ótima experiência no trabalho é fundamental para a sua felicidade.

Não à toa, empresas que já entenderam isso tendem a sair na frente da concorrência em diversos aspectos, inclusive nos processos de seleção de talentos. Para Elenice Oliveira, professora e coordenadora do curso de Recursos Humanos da Estácio, “ter um plano de bem-estar é fundamental no processo de recrutamento. Nesse conjunto de procedimentos que visa atrair candidatos potencialmente qualificados e capazes de ocupar cargos dentro da organização, oferecer planos assim é um diferencial que ajuda a atrair mais interessados. O candidato dará preferência, na maioria das vezes, em participar de um processo seletivo/trabalhar em uma empresa que ofereça esses benefícios, ainda mais quando comparado a outra que não tenha”, afirma.

A docente lembra, ainda, que a política de bem-estar atrai especialmente os millennials, pois, para eles, “é muito importante conciliar trabalho com vida pessoal e não importa ter boa remuneração agora e qualidade de vida depois, em longo prazo. Esses novos profissionais querem que ambas as condições caminhem juntas.

E mais: ao contar com um plano de bem-estar, a empresa também mostra que não está interessada apenas no que o funcionário tem a oferecer do ponto de vista do negócio, transmitindo a mensagem de que valoriza o ser humano que existe por trás de cada profissional.

A seguir, listamos outras importantes vantagens proporcionadas por inciativas desse tipo. Confira:

  • Funcionários felizes são mais leais à empresa e procuram realizar suas tarefas de maneira mais eficiente e satisfatória;
  • Colaboradores que contam com um plano de bem-estar são mais saudáveis, o que reflete diretamente na sua produtividade e até nas suas relações interpessoais;
  • Quanto melhor o profissional se sente, menores as taxas de afastamento médico, presenteísmo e absenteísmo;
  • Com funcionários se sentindo confortáveis e satisfeitos em seu ambiente de trabalho, as taxas de turnover também são reduzidas, o que leva à redução de gastos com novos processos de seleção e treinamentos;
  • Empresa passa a contar com uma imagem positiva no mercado de trabalho, além de ter  em seus próprios colaboradores os melhores divulgadores de sua marca. Isso ajuda a atrair os profissionais disponíveis no mercado de trabalho e também aqueles que pretendem mudar de emprego.

Como passar a oferecer planos de bem-estar na empresa?

Mas quem ainda não faz uso dessa estratégia pode começar de maneira simples, com as dicas especiais dadas pela professora Elenice. Olha só:

  • Realize um diagnóstico da empresa, identificando suas principais características, o estilo gerencial e os interesses das equipes;
  • Defina o objetivo da criação de um plano de bem-estar, relacionando ações passadas ao que se pretende para o futuro;
  • Crie um modelo de plano e construa uma oferta de benefícios que respeite a cultura e mantenha o propósito da empresa;
  • Para apresentar a proposta e convencer a diretoria da sua importância, utilize dados e números que comprovam o quanto ter um plano de bem-estar é benéfico para todos;
  • Implemente a estratégia tendo como base um cronograma de ações, que deve incluir também a preparação das lideranças e dos colaboradores com uma boa divulgação do projeto;
  • Defina diretrizes para calcular o ROI e mensure os resultados;
  • Garanta a evolução e a sequência do projeto.

 

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação de

Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber as novidades Vidalink e artigos sobre bem-estar.