Gestão de saúde
[ARTIGO] Usando dados de prescrição de medicamentos para avaliar os melhores (e piores) locais de trabalho
[ARTIGO] Usando dados de prescrição de medicamentos para avaliar os melhores (e piores) locais de trabalho

Pelo Professor Jeffrey Pfeffer*

Ao ver a lista dos melhores lugares para trabalhar em 2018, lançada pela Fortune, fiquei surpreso ao ver o Salesforce assumir a primeira posição. Isso ocorre porque, quando fiz entrevistas com as pessoas para o meu livro, Dying for a Paycheck, (“Morrendo por um Salário”), várias pessoas que entrevistei trabalhavam para a Salesforce, e o que elas descreveram estava longe de ser um local de trabalhadores saudáveis.

Uma pessoa foi forçada a voltar de licença maternidade duas semanas após o parto para fazer uma apresentação importante. Uma outra, grávida de vários meses na época, viajou de avião para a Europa no sábado à noite para poder participar de uma reunião na segunda-feira – tendo recebido pouco aviso da viagem inesperada e poucas opções para optar por não participar. Obviamente, saúde no local de trabalho e ser um “ótimo lugar para trabalhar” podem não ser a mesma coisa – mas alguém poderia pensar que essas duas medidas no local de trabalho estariam altamente correlacionadas.

Talvez eu tenha encontrado alguns dados discrepantes não representativos em minha pesquisa. Isso é possível. Mas estou cada vez mais convencido de que muitos dos dados da pesquisa usada ​​na construção de revisões não são confiáveis. Já sabemos que esse é o caso das análises de consumidores de produtos e serviços. Como as evidências mostram que as pessoas confiam nessas revisões na tomada de decisões – as avaliações são economicamente consequentes -, as empresas têm incentivos para publicar avaliações falsas… E elas o fazem.

Um estudo revisado relatou que 16% das avaliações de restaurantes no Yelp são falsas. Outro estudo relatou que um quarto das avaliações enviadas ao Yelp também são falsas, com problemas semelhantes no Facebook e no Google. Existe uma literatura acadêmica crescente sobre as maneiras de descobrir avaliações falsas, e os principais sites que publicam as avaliações têm algoritmos em constante evolução, tentando descobrir fraudes nas avaliações… No entanto, pesquisas acadêmicas sugerem que a validade das classificações de usuários on-line é baixa.

Enquanto isso, o Glassdoor, que agrega avaliações de funcionários para uma lista publicada na Forbes, e na Great Place to Work Institute, que estão juntas na lista da Fortune, são organizações com fins lucrativos e que vendem produtos e serviços para algumas empresas que estão avaliando. Com isso, a possibilidade de conflitos de interesse é abundante.

Nesse contexto, o que fazer para diagnosticar a verdade real sobre os locais de trabalho? Uma das pessoas da Salesforce observou que os funcionários usaram antidepressivos logo nas primeiras semanas de trabalho na empresa e sugeriu que esse pode ser um indicador útil para identificar ambientes de trabalho tóxicos. Acontece que essa sugestão realmente tem validade e embasamento.

O uso de medicamentos prescritos pode, se esses dados estiverem disponíveis ao público, como estão na Dinamarca, fornecer excelentes indicadores de estresse no local de trabalho e se as pessoas estão trabalhando em ambientes de trabalho que melhoram ou que destroem sua saúde.

“O uso de medicamentos prescritos pode fornecer excelentes indicadores de estresse no local de trabalho e se as pessoas estão trabalhando em ambientes que melhoram ou que destroem sua saúde.”

Michael S. Dahl, professor do departamento de administração da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, usou dados de prescrição de medicamentos para examinar uma série de questões interessantes. Por exemplo, ele e seus colegas descobriram que os empreendedores iniciantes e seus cônjuges aumentaram o uso de sedativos/ hipnóticos nos primeiros dois anos após se tornarem empreendedores, mas o uso de antidepressivos diminuiu.

Em outro estudo, ele relatou que, quando as esposas ganham mais, a tendência são os maridos usarem medicamentos para ansiedade e insônia. E um terceiro estudo constatou que as prescrições de medicamentos relacionados na maior parte ao estresse, aumentaram em funcionários de empresas que sofreram mudanças organizacionais significativas. Essas e outras pesquisas sugerem que o uso de medicamentos prescritos pode ser uma medida útil do estresse social.

“Essas e outras pesquisas sugerem que o uso de medicamentos prescritos pode ser uma medida útil do estresse social”

Em uma reunião da Salesforce no outono passado, os funcionários observaram os dados mostrando o aumento drástico nas prescrições médicas no uso de medicamentos. Observando em um gráfico recente que os dados dele não foram compartilhados publicamente, embora tenham sido apresentados a milhares de funcionários, se eu tivesse que confiar em um indicador do que está acontecendo no local de trabalho, este gráfico estaria mais inclinado a confiar nas mudanças de reivindicações médicas e de prescrição do que nas classificações da GPTW.

Portanto, da próxima vez que você estiver passando por uma entrevista de emprego, não confie apenas nas classificações. Pergunte, de uma maneira agradável e educada, às pessoas que o entrevistam sobre quais medicamentos eles estão tomando. Isso pode lhe dizer muito mais sobre as condições no local de trabalho em que você está pensando em ingressar.

__________________________________________________________________________________________

*O artigo acima é uma tradução autorizada do artigo original (Using Prescription Data to Assess the Best – and Worst – Workplaces), publicado no LinkedIn pelo professor da Escola de Pós-Graduação em Negócios da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, Jeffrey Pfeffer, que esteve no Brasil, em setembro de 2019, participando do evento Workplace Wellness Conference, realizado pelo Insper, em São Paulo, para divulgação do lançamento do livro “Morrendo por um salário”. As informações acima descritas, bem como as opiniões expressas no artigo, são fruto de seus estudos para a publicação do livro e não necessariamente refletem a opinião da Vidalink, sendo, portanto, de inteira responsabilidade do autor.

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação de

Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber as novidades Vidalink e artigos sobre bem-estar.