Gestão
Medir o nível de satisfação dos colaboradores deve ser prática comum nas empresas
Medir o nível de satisfação dos colaboradores deve ser prática comum nas empresas

A alta produtividade de uma empresa é fundamental para a conquista de bons resultados, mas para que isso ocorra de forma equilibrada em todas as esferas internas, a satisfação dos colaboradores precisa estar sempre em alta. Afinal, a efetividade de cada trabalho realizado está diretamente relacionada ao nível de entrega deles.

Mas o que avaliar para medir a satisfação dos funcionários? Bom, gestores de RH e os próprios líderes das organizações devem se atentar a alguns pontos chaves que indicam se eles estão felizes ou não. Nessa hora, quanto mais dados objetivos forem obtidos, melhor será o embasamento para a análise. Confira:

Reclamações de clientes e fornecedores

Clientes e fornecedores, muitas vezes, percebem antes dos gestores a falta de motivação e satisfação dos colaboradores. Isso porque quem compra ou fornece para a companhia lida diretamente com o quadro interno de funcionários, portanto, manter sempre um canal de comunicação aberto com esse público é fundamental.

Grau de absenteísmo

Colaboradores que se ausentam por motivos médicos ou faltas injustificadas sinalizam “nas entrelinhas” que a satisfação deles está baixa. Esse fator compromete, obviamente, a produtividade, a entrega das tarefas individuais, além do cumprimento das metas da empresa.

Baixa produtividade

Quando o nível de entregas de cada colaborador difere muito do volume de tarefas que precisam ser entregues, algo está errado. Claro que deve haver uma tolerância de tarefas não executadas dentro de determinados prazos. Porém, diferenças em torno de 35% a 50% mostram que a insatisfação dos colaboradores é uma forte causa da baixa produtividade.

Índice de retenção

Baixos índices de retenção, sejam pontualmente ou durante meses, indicam que algo está errado com a política interna da empresa, seja na entrega de benefícios corporativos, clima organizacional ou em outros quesitos.

Afinal, um colaborador, geralmente, só decide trocar de emprego quando não encontra mais motivos que o sustentem para seguir onde está.

Nível de turnover

A saída e entrada constante de funcionários também indicam o nível de insatisfação da equipe com a organização e comprovam que o problema influencia diretamente no índice de turnover.

Lucro baixo

Quando a insatisfação dos colaboradores se instaura, não tem jeito: o lucro de qualquer empresa tende a cair. Vale ressaltar, contudo, que identificar as causas dessa queda envolve não só a análise do nível de satisfação interna, mas também da situação do mercado, do tipo de produto ou serviço oferecido e do desempenho de cada área.

Como medir a satisfação dos colaboradores na empresa?

Há vários modos de avaliar e medir a satisfação dos colaboradores. Alguns métodos são estatísticos, enquanto outros subjetivos, o que requer um trabalho mais “corpo a corpo” dos gestores. Confira mais detalhes a seguir:

Nível de produtividade de cada funcionário

O nível diário de produtividade de cada trabalhador deve ser avaliado constantemente por gestores de todas as áreas. Essa avaliação deve ser formulada junto com o departamento de recursos humanos para que os dados coletados sejam, ao final, centralizados no RH de maneira organizada.

Avaliar qual é o nível de entrega do colaborador diante das demandas permite identificar quem está insatisfeito e, a partir daí, adotar estratégias internas capazes de aumentar a sua satisfação.

Conversa com colaboradores

Chamar um funcionário para conversar de tempos em tempos é importante para uma análise de como ele se sente e o que ele espera da empresa. Essa conversa deve ter um tom mais humanizado e ser feita individualmente.

Avaliação de desempenho

A avaliação de desempenho não fala explicitamente sobre a satisfação dos colaboradores, porém, em suas entrelinhas, revela como ele se sente. A partir desse questionário, os gestores devem ter uma conversa franca para entender a posição do funcionário diante de seus acertos e erros.

Pesquisas internas

Pesquisas internas sobre a empresa valem para identificar pontos de melhoria e falhas que devem ser corrigidas. Essas pesquisas podem ser de cunho genérico ou específico, de modo que seja possível, por exemplo, fazer perguntas sobre limpeza do ambiente de trabalho, iluminação das salas e até mesmo sobre salário e benefícios corporativos.

Vale lembrar que essas pesquisas precisam ter um espaço para sugestões. Dessa forma, a empresa toma ações – dentro de suas possibilidades – baseadas na vivência de seus colaboradores.

Sugestões

Elaborar uma caixa de sugestões ainda é um método que vale para muitas organizações. Além do objeto físico, o RH também pode desenvolver um formulário online para sugestões.

Muitas vezes, os funcionários pedem melhorias que podem ser resolvidas a curto prazo e influenciam diretamente no seu nível de satisfação, como um ar condicionado menos barulhento ou uma cadeira mais confortável, por exemplo.

NPS

A Net Promoter Score é uma pesquisa que ranqueia, dentre outros fatores, o nível de satisfação dos colaboradores com a empresa e, com apenas uma pergunta objetiva, é possível classificá-los em três níveis distintos:

  • Neutros: que não falam nem bem e nem mal da empresa;
  • Promotores: vão levantar os pontos positivos e até indicariam a empresa para terceiros trabalharem;
  • Detratores: têm críticas negativas à empresa e querem sair por vários motivos.

Essa pesquisa pode ser online ou impressa, aplicada de forma anônima para que o colaborador se sinta mais livre para responder realmente o que pensa a respeito da organização e como se enxerga nela.

 

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação de

Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber as novidades Vidalink e artigos sobre bem-estar.