Gestão
Cuidar da saúde e do bem-estar dos colaboradores pode reduzir custos
Cuidar da saúde e do bem-estar dos colaboradores pode reduzir custos

O nível de produtividade das empresas está diretamente relacionado à qualidade de vida de seus funcionários. Apesar disso, são muitas as lideranças que ainda acreditam que oferecer um plano médico de qualidade já é suficiente para manter a saúde e o bem-estar dos colaboradores em dia, quando, na verdade, é preciso muito mais do que isso.

Afinal, atentar-se para a qualidade de vida dos profissionais aumenta diretamente as perspectivas de lucro de qualquer negócio. Além disso, de modo geral, a prevenção de uma doença custa bem menos do que o tratamento em si. Dessa forma, fica ainda mais fácil entender o quanto cuidar da saúde e do bem-estar dos colaboradores contribui para a redução dos gastos da empresa.

“Quanto maior for o cuidado com a saúde e o bem-estar dos colaboradores, maior serão os benefícios para a organização, como a redução do absenteísmo e dos afastamentos por doenças e, consequentemente, o maior controle de recursos e sinistros”, ressalta Marisa Estela Karam, psicóloga, mestre em administração e desenvolvimento empresarial e professora dos cursos de lato sensu – MBA e Pós-Graduação – do Centro Universitário FMU.

Todo esse cuidado com os funcionários também dá a percepção do quanto eles são valorizados como pessoas e não apenas como profissionais, reforçando a mensagem de que eles não são vistos somente como um número para a empresa, gerando, assim, mais confiança.

Confiança é um substantivo diretamente ligado às relações intrapessoais e interpessoais, ou seja, a convicção de alguém sobre o próprio valor (intrapessoal) e a fé que se tem em alguém (interpessoal)”, explica Marisa.

Por que cuidar da saúde e do bem-estar dos colaboradores reduz custos?

Com o cuidado com a saúde e o bem-estar dos colaboradores, todo mundo sai ganhando. Para os profissionais, o resultado é a maior qualidade de vida dentro e fora do ambiente de trabalho. E para as organizações, o aumento da produtividade e, consequente, da própria lucratividade.

Além disso, o contexto atual de trabalho é permeado por mudanças constantes, tecnologias disruptivas, atividades estressantes e metas cada vez mais desafiadoras que geram insegurança profissional e tensão. “Esses fatores interferem na saúde do colaborador e, por consequência, na saúde da empresa. Portanto, investir e cuidar da saúde e bem-estar dos colaboradores é determinante para a sustentabilidade do negócio”, afirma a professora.

Não à toa, o cuidado com a parte física, mental e social do trabalhador também será fator de contribuição para a saúde organizacional em um mercado cada vez mais competitivo.

Outras vantagens

  • Melhora na execução das tarefas diárias;
  • Maior valorização do ambiente de trabalho;
  • Redução do uso do plano de saúde;
  • Diminuição dos gastos com afastamento médico;
  • Redução do absenteísmo;
  • Diminuição dos níveis de estresse;
  • Redução de sinistros e acidentes de trabalho;
  • Menos investimentos com novas contratações.

 

Formas de cuidar da saúde e bem-estar dos colaboradores

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), a definição de “saúde” é “estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”.

Diante disso, podemos concluir que a prevenção de doenças (relacionados ao ambiente de trabalho ou não) é muito importante, assim como o cuidado holístico de cada pessoa.

Existem diversas maneiras de implantar a cultura de cuidado nas empresas. “A principal é estabelecer indicadores que apontem a qualidade da saúde dos funcionários versus o desempenho da empresa como forma de sensibilizar os tomadores de decisão sobre a importância do investimento na saúde e bem-estar dos colaboradores”, aponta Marisa.

Também é necessário que a área de recursos humanos aponte, por meio de dados, o impacto que a falta de atenção nessa área pode ocasionar não só para a produtividade, mas também para a imagem da corporação.

“Uma das maneiras que a empresa tem de atuar é por meio do desenvolvimento de programas que possibilitem a conscientização do funcionário para cuidar da própria saúde e de seu bem-estar, além de políticas de recursos humanos que tornem o ambiente de trabalho mais humanizado”, reforça.

O que pode ser desenvolvido?

Dentre as várias possibilidades existentes, também é possível:

  • Implantar projetos de iniciativas de autocuidado;
  • Oferecer programas de ginástica laboral;
  • Efetuar uma análise ergonômica a fim de reduzir lesões por esforço repetitivo;
  • Investir em programas e palestras sobre prevenção de doenças do trabalho e também as virais e transmissíveis;
  • Realizar programas de vacinação;
  • Orientar quanto a importância de ter uma alimentação mais saudável, bem como a prática de atividades físicas;
  • Apoiar e orientar sobre a redução de vícios, como o fumo e o álcool;
  • Promover palestras motivacionais.

Melhorar a comunicação entre líderes e funcionários também é essencial para que eles se sintam à vontade para comunicar eventuais problemas físicos, mentais ou emocionais.  “Por fim, as empresas precisam perceber e valorizar a subjetividade no trabalho e desenvolver ações voltadas para despertar no colaborador a importância do autoconhecimento e da integração da saúde física e mental”, finaliza Marisa.


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação de

Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber as novidades Vidalink e artigos sobre bem-estar.